Pro Tork renova contrato com npdiario

O diretor-presidente da Pro Tork, Marlon Bonilha(foto à direita), renovou o contrato de parceria com o npdiario.
Foi hoje de manhã em sua sala, na sede da empresa, em Siqueira Campos.

É o único veículo de informação do Norte Pioneiro que recebe publicidade, material institucional,press releases e participação de eventos.
A união completou cinco anos.O npdiario comemora uma década na próxima terça-feira, dia oito.
Na imagem aparecem também o consultor de marketing do portal, Vítor Leite Silveira e Valcir Machado.
A Pro Tork começou em Curitiba, uma empresa que viria se tornar líder mundial na produção de capacetes, além da maior fábrica de moto peças da América Latina. Mas até alcançar este posto, um longo caminho foi percorrido pela Pro Tork, que teve seu início de forma despretensiosa, com a produção artesanal de escapamentos para motos importadas.
O empreendedorismo da família Bonilha fez com que o negócio se transformasse em uma grande oportunidade. Analisando as necessidades do mercado, a marca passou a desenvolver novos itens, investindo em tecnologia, na capacitação dos profissionais e também em estrutura. Foi então que, em 1993, tomou a importante decisão de se instalar no Norte Pioneiro do estado, em Siqueira Campos.
Lá, conseguiu desenvolver projetos audaciosos, como o da primeira fábrica de motos do Sul do país, entre muitos outros. Atualmente a Pro Tork conta com oito unidades, que somam 350 mil metros de área construída, movidas por mais de quatro mil funcionários, responsáveis por um catálogo com cerca de seis mil produtos.
Parte do sucesso se deve as pistas. Seus produtos são testados diariamente pelos melhores atletas do motociclismo. Falando nisso, a Pro Tork é uma das empresas brasileiras que mais investem no esporte, patrocinando não apenas grandes nomes, mas também pilotos de categorias de base. A empresa ainda apoia outros esportes radicais, como motocross freestyle, wheeling e drifting.
Tudo isso a levou a dominar o mercado nacional, com 72% de participação. A cada 10 motos em circulação no Brasil, sete tem pelo menos um item da marca. Todos os dias, dezenas de carretas deixam a sede da Pro Tork para abastecer o varejo e as linhas de produção de outras empresas do segmento duas rodas. O exterior também recebe seus produtos, 56 países são atendidos.
Para reduzir custos e garantir a qualidade final dos produtos, a Pro Tork decidiu controlar todas as fases de produção de uma motocicleta. Hoje a empresa, com sede em Siqueira Campos, é a maior fabricante de motopeças da América Latina
Em abril do ano retrasado, a empresa tirou da fila de espera um de seus projetos mais audaciosos. Com um investimento de R$ 50 milhões, inaugurou a primeira fábrica de motos do Sul do país, amparada pelo know-how na produção de peças e acessórios.
A entrada no mercado de motos ocorreu com três modelos de baixa cilindrada: o ciclomotor Fly 50; Fly 100 e Heavy Duty, o triciclo utilitário da marca. Somando os três
A planta da Pro Tork focada exclusivamente na produção do item de segurança, tem 580 funcionários e fabrica 13 mil capacetes por dia, operando no limite da capacidade. Considerado um dos carros-chefe do portfólio da empresa, o item de segurança leva, em média, dois dias para ser produzido. Incluindo os exemplares esportivos para competição, são + de 50 modelos de capacetes, que custam entre R$ 50 a R$ 900. A produção é dividida entre etapas mecanizadas e manuais e requer atenção aos detalhes. Não à toa as mulheres são 90% da mão de obra nessa unidade. Mais detalhistas, elas garantem a qualidade final do produto como, por exemplo, no processo de colocação dos transfers nos capacetes, que é todo feito de forma manual.
Se cada operação dominada hoje pela Pro Tork fosse desmembrada do todo, 30 diferentes empresas poderiam surgir. “Boa parte das companhias do setor atua de forma bastante segmentada, produzindo apenas determinado tipo de peça ou acessório. Nós temos um mix bastante completo de produtos”, explica o diretor Beto Bonilha. Um dos exemplos é o setor de ferramentaria, chamado de coração da empresa. Comandado por 40 funcionários, é dali que saem todos os moldes das peças fabricadas pela Pro Tork: capacetes, escapamentos, guidões, pedais, faróis, entre outros. A logística é outra área que ilustra a opção da empresa pelo controle de 100% do processo produtivo. Uma frota de 200 carretas próprias circula pelo Brasil para levar aos clientes os produtos da Pro Tork. Segundo o diretor Marlon Bonilha, além de dar agilidade ao negócio e garantir a qualidade dos itens, o domínio de todos os processos reduz em 30% o custo final dos produtos.

marlonval

 

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.