Governo Cida se alia à Lava Jato na investigação do pedágio

Governadora pediu a suspensão da cobrança

A força tarefa Lava Jato, do Ministério Público Federal, e a Justiça Federal acataram pedido de habilitação do Governo do Paraná para fazer parte como colaborador das investigações e das ações sobre as concessões rodoviárias do Estado, realizadas no âmbito da Operação Integração.

A solicitação feita pela Procuradoria Geral do Estado (PGE) atende determinação da governadora Cida Borghetti (foto) e permite a colaboração entre órgãos públicos. Na semana passada, após denúncias de pagamentos de propina para manter vantagens às concessionárias, Cida pediu a suspensão da cobrança de pedágio.

Agora, com a parceria entre estado, Ministério Público Federal e Justiça Federal, haverá compartilhamento de provas e outras informações sobre irregularidades apuradas dentro dos contratos de concessão dos seis lotes de rodovias que formam o Anel de Integração.

Em paralelo, o Governo do Estado, por meio do PGE, ajuizou ação na 1a. Vara da Justiça Federal requerendo imediata redução no valor das tarifas de pedágio ou a exclusão completa da Taxa Interna de Retorno (TIR) das concessões, que equivale ao lucro das empresas. Também em regime de urgência, a ação pediu o bloqueio e indisponibilidade de bens das concessionárias.

Segundo a PGE, a ação é necessária em razão dos “fatos narrados em decisão judicial proferida pela 23a. Vara Federal de Curitiba – autos nr. 5036128-04.2018.4.04.700/PR”, e que foram divulgadas ao longo do mês de setembro.

ANTICORRUPÇÃO – Para sustentar as medidas judiciais, a Procuradoria Geral do Estado baseia as ações na Lei Anticorrupção (Lei Federal 12.846/13) “que prevê responsabilidade objetiva das empresas pelos atos de corrupção lesivos ao interesse público”.

Segundo a PGE, apesar do pedágio ter sido objeto de inúmeras outras demandas judiciais anteriores, é a primeira vez que o pedido de redução de tarifas é feita com base na Lei Anticorrupção.

A representação judicial do Estado tramita em segredo, com pedido de liminar, para não atrapalhar o andamento das investigações. De acordo com a PGE, com a sequência das investigações e o compartilhamento de provas não estão descartadas outras ações indenizatórias e civis, por improbidade administrativa, contra agentes públicos e privados que tenham se beneficiado de atos ilícitos.

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.