Enterrado corpo de piloto que caiu com paramotor em Wenceslau Braz

Maioria confundiu com parapente devido grande semelhança

O corpo de Maurício Martins, de 44 anos, foi sepultado neste domingo, dia oito, no cemitério de Sengés, onde residia. Ele perdeu a vida quando fazia manobras em torno das 15 horas perto da Vila Verde em Wenceslau Braz, perdeu o controle e caiu.

Maurício sofreu várias fraturas e chegou a receber os primeiros socorros no chão ainda, foi encaminhado ao hospital São Sebastião e, em seguida, transferido para um hospital de Londrina, mas não resistiu.

E frequente as pessoas confundirem o aparelho em que a vitima estava com o semelhante parapente. No paramotor,  a velocidade do vento se gera graças a força que proporciona o motor que levam s no momento em que se supera a velocidade necessária para se levantar. Enquanto que em um parapente se requer uma certa altura para poder voar, com o paramotor se pode levantar voo praticamente de qualquer lugar plano.

Existem vários tipos de motores para o paramotor, sendo desde pequenos motores para pessoas de pouco peso (55 kg aproximadamente de impulso) a motores mais poderosos para realizar voos em dupla (piloto e acompanhante, normalmente de 120 a 150 kg de impulso). Os mais usados atualmente são motores de 2 tempos, porque para implementar com motores de 4 tempos ficaria pesado demais e ainda há desenvolvimento para um paramotor com propulsão elétrica.

A maioria dos motores é de origem europeia e as marcas dedicadas a este esporte os instalam em chassis com variação de tipo e peso de hélice e o tipo de alcance de andadores. Também é possível adaptar motores de kart obtendo-se resultados muito bons.

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.