Ricardo Barros cobra harmonia entre poderes

Sobre outro tema da comissão geral da Câmara, o combate às fake news, destacou a importância de o País garantir que as notícias falsas não atentem contra o processo eleitoral

O líder do Governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), defendeu nesta quarta-feira (9/6) que não haja mais mudanças nas regras eleitorais após o fim do prazo de filiações partidárias. Ele participou da comissão geral (sessão especial de debates) no Plenário da Câmara sobre a Regulamentação do Combate às Fake News, Voto Impresso e Sistemas Eleitorais.

Barros lembrou que em setembro de 2020, apenas dois meses antes das eleições municipais, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou a aplicação imediata dos incentivos às candidaturas de pessoas negras. Como o prazo para filiações partidárias já havia se encerrado em abril, os partidos tiveram dificuldades para cumprir as normas.

A decisão do STF contrariou entendimento prévio do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que havia definido que as regras só seriam obrigatórias a partir das eleições de 2022.

“Um dos nossos objetivos, e fazemos este apelo, é o de que nenhuma norma eleitoral seja alterada depois do fim do prazo de filiação, para que os partidos e as pessoas possam se preparar adequadamente”, explicou Barros.

Cumprimento de decisões
Na sessão de debates desta quarta-feira, o líder do Governo manifestou satisfação com o compromisso feito pouco antes pelo presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, de cumprir uma eventual decisão do Congresso Nacional pela adoção do voto impresso a partir de 2022.

“O Governo é favorável à tese do voto auditável. O Parlamento decidirá e fico feliz por saber que haverá o cumprimento da decisão. Afinal, quando votamos a criação de quatro Tribunais Regionais Federais (TRFs), o ministro Joaquim Barbosa deu uma liminar e não implementou a decisão de emenda constitucional aprovada nesta Casa com quórum qualificado”, disse Barros. “Então, se houver o cumprimento, será muito bom”, acrescentou.

O deputado ressaltou que o voto auditável é uma questão de segurança para o eleitor, sem prejuízo da tecnologia. “Em 1989, quando fui prefeito de Maringá, doei os três primeiros computadores que a Justiça Eleitoral brasileira teve. A informatização é uma conquista importante para todos os brasileiros”, acrescentou.

Sobre outro tema da comissão geral da Câmara, o combate às fake news, Ricardo Barros destacou a importância de o País garantir que as notícias falsas não atentem contra o processo eleitoral.

O deputado defendeu, também, a garantia da harmonia e da independência entre os Poderes, dentro do princípio democrático de que todos são iguais perante a lei.

“Infelizmente, existe uma casta de inimputáveis: muitas eleições foram decididas na véspera por meio do acatamento de denúncias pela Justiça Eleitoral, afastando candidatos. Muito tempo depois, quando se descobre que a denúncia não era válida, o resultado da eleição já foi mudado e ninguém responde por isso”.

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.