Quem tem mais ajudado é a imprensa e não esse governo, diz Rubens Bueno

 

O vice-presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, deputado federal Rubens Bueno (Cidadania-PR), criticou nesta quarta-feira, em audiência pública com o ministro Ernesto Araújo, a postura do governo e seus esforços internacionais no combate a pandemia da Covid 19.

De acordo com deputado, diante da tragédia que atinge o país, quem tem mais ajudado a conscientizar a população é a imprensa brasileira “e não esse governo transloucado”. “Eu nunca vi uma mensagem do governo patrocinando informações adequadas para enfrentar o coronavírus. Nenhuma mensagem falando de máscara, nenhuma mensagem falando de lavar as mãos, nenhuma mensagem falando do distanciamento, nenhuma mensagem falando efetivamente sobre o que está acontecendo. Resultado: 300 mil mortes!”, criticou o deputado ao ministro.

O ministro das Relações Exteriores, ao comentar o trabalho da imprensa, disse que “a imprensa, quando ele mente, ela mente, e as pessoas acham que ela diz a verdade”. Na avaliação de Rubens Bueno, essa postura só confirma o caráter negacionista do governo diante da pandemia. O deputado ainda questionou o fato de somente hoje o governo ter se reunido com governadores e com o Congresso para propor um comitê de acompanhamento da pandemia. “Hoje? Um ano depois com 300 mil mortes.

Isso é muito grave para um país que se diz democrático e que respeita a vida”, cobrou Rubens Bueno. Ernesto Araújo alegou que, desde o primeiro momento, essa foi a ideia do presidente Jair Bolsonaro.

O parlamentar questionou ainda ao ministro por quê somente agora o país se movimenta para que a aquisição das vacinas aconteçam. “Se muitos países já compraram há muito tempo mais do que precisavam por quê nós não compramos? Nós não temos ainda o suficiente de vacina para atender uma demanda urgente de nossa população que já precisava disso desde o ano passado”, questionou. O ministro respondeu que “a estratégia de vacinação no país foi bem construída”. Na avaliação de Rubens Bueno, se o Brasil tinha dinheiro para comprar vacina não havia motivo para não comprar. Para o deputado, o país, se não tivesse um governo transloucado, poderia ter até mesmo comprado mais vacinas do que o necessário. “Seria possível, por exemplo, sermos solidários com nossos vizinhos, principalmente os que nos fazem fronteira, e alguns deles que enfrentam duras dificuldades econômicas.

Seria possível vacinar toda a nossa população e ainda doar vacinas para o Paraguai, Bolívia, Argentina, Peru, entre outros. Abdicamos nosso posto de liderança na América do Sul. Mas o ministro acha que estamos no caminho certo. Não é o que acha a nossa população!”.

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.