Projeto cria base curricular comum para escolas

Projeto do poder executivo cria a Base Curricular comum para todo o território nacional. A proposta pretende padronizar as matérias e disciplinas na grade das escolas. Se aprovado, o documento vai reformular e determinar o currículo mínimo para todos os alunos das 190 mil escolas de educação básica do país.
É ela quem vai definir quais são os “objetivos de aprendizagem” a serem considerados pelos professores e coordenadores na hora de elaborar o projeto pedagógico da escola.
Para construir a Base, o MEC disponibilizou um portal onde todos podem participar. Há dois tipos de contribuições: as propostas preliminares, enviadas pelo site por qualquer pessoa que fizer o cadastro; e as avaliações produzidas por um grupo de profissionais das áreas do conhecimento da Base, convidado pelo MEC para ler a proposta. As contribuições poderão ser feitas até o mês de março.
O coordenador da frente parlamentar da Educação, deputado Alex Canziani(foto), do PTB do Paraná, diz que o grande desafio do Brasil hoje é a qualidade de educação.
“Se alguns anos atrás a meta era trazer os alunos para as escolas, hoje, principalmente nas séries iniciais, praticamente todos estão nas escolas. Mas o grande desafio hoje é melhorar a qualidade. Uma das inovações que temos que fazer é ter um currículo único. Uma base curricular nacional. Porque hoje cada município, cada estado, tem o seu próprio currículo. Aquilo que um estudante lá no Amazonas aprende é diferente daquilo que o estudante do Parará ou de São Paulo está aprendendo. E nós temos que ter equidade. Nós temos que dar a oportunidade para todos os alunos do nosso país. É por isso que nós estamos reunidos já há algum tempo, conversando com o Ministério da Educação, com atores e entidades que trabalham para a educação. E hoje todos nós estamos construindo essa base”.
Em abril, a segunda versão do documento será divulgada, e serão realizados seminários em todos os estados, para que as secretarias estaduais e municipais deem suas últimas contribuições.
Entre maio e junho, a comissão fará a última versão, que será apresentada, avaliada e votada pelo Conselho Nacional de Educação (CNE).

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.