Mais doenças precocemente diagnosticadas em bebês

Triagem neonatal passa a detectar gratuita e obrigatoriamente uma lista mais ampla de patologias

Além das patologias detectadas nos já conhecidos testes do pezinho, orelhinha, olhinho e do coraçãozinho que todas as crianças paranaenses fazem na triagem neonatal, e que detectam diversos tipos de doenças nos recém-nascidos, agora é lei no estado (Lei 20.671/2021) a inclusão de uma série muito mais completa de patologias. São doenças genéticas, endócrinas e metabólicas para estabelecer o quanto antes os diagnósticos e promover os tratamentos adequados.

A publicação da lei aconteceu fruto de um projeto de lei (616/2020) proposto na Assembleia Legislativa do Paraná pelo deputado Subtenente Everton (fotos). “Os neonatos, mesmo de aparência saudável, podem ser portadores de doenças graves que, sem tratamento podem evoluir para o óbito ou complicações clínicas permanentes”, cita.

A iniciativa apresentada pelo parlamentar acrescentou novo rol à Lei 8.069/87, que já dispunha obrigatoriedade de provas para detectar precocemente a fenilcetonúria, hipertireoidismo congênito, síndrome de down, cardiopatia congênita “e outras malformações genéticas e cromossômicas em todas as crianças nascidas em maternidades e casas hospitalares do Paraná”.

“A triagem ampliada vai possibilitar o rastreamento de mais de 100 doenças e contribuirá para diminuir significativamente a descoberta tardia, visando oportunizar à criança o tratamento adequado o mais breve possível”, completa a justificativa do projeto aprovado na Assembleia Legislativa.

A lista de diagnósticos aos quais os recém-nascidos paranaenses agora têm direito abrange:

Hipotireoidismo Congênito; Fibrose Cística; Doenças Falciforme e outras Hemoglobinopatias; Deficiência da Biotinidase; Hiperplasia Adrenal Congênita; Doenças metabólicas; Deficiência da desidrogenase acetil CoA de cadeia média (MCAD); Deficiência da desidrogenase acetil CoA de cadeia longa (LCHAD); Deficiência da desidrogenase acetil CoA de cadeia muito longa (VLCAD); e Deficiência do Transporte da Carnitina – Carnitina Primária (CTD).

 

 

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.