Econorte tem réus por peculato e lavagem de dinheiro

Ex-presidente e mais cinco pessoas envolvidas no escândalo

Denúncia da Operação Integração aponta pagamentos que somaram mais de R$ 500 mil para agentes públicos por meio de contratos parcialmente fictícios e emissão de notas falsas.

O ex-diretor-presidente da concessionária Econorte Hélio Ogama e mais cinco pessoas se tornaram réus pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro em um processo da Operação Integração, do Ministério Público Federal (MPF).

A denúncia, do início de agosto, foi aceita pelo juiz substituto Paulo Sérgio Ribeiro, da 23ª Vara da Justiça Federal de Curitiba nesta semana. A operação é um desdobramento da Lava Jato e investiga fraudes em contratos e aditivos envolvendo a concessão de rodovias no Paraná.

O MPF relata a geração de dinheiro em espécie por meio de contratos parcialmente fictícios e emissão de notas falsas. O dinheiro era para o pagamento de agentes públicos e políticos do Paraná por parte da concessionária para a manutenção dos contratos de concessão de pedágios.

Procurada, a empresa afirmou que não vai se manifestar sobre o tema.

Os procuradores pedem a condenação dos réus com prisão e multa de, no mínimo, R$ 516,9 mil, além de bloqueio de bens.

ESQUEMA DO CONTRATO:

Conforme a denúncia, em setembro de 2013, Ogama e Luiz Eduardo se encontraram em Guarapuava, na região central do Paraná, e acertaram que no próximo contrato entre a empresa LL Systems e a concessionária, seria acrescido R$ 450 mil para devolução em espécie para a concessionária.

Em outubro do mesmo ano, as empresas firmaram o contrato de prestação de serviços especializados de desenvolvimento de sistema digital de voz e dados, no valor de R$ 3,4 milhões.

A denúncia aponta 10 pagamentos supostamente superfaturados realizados pela Econorte em favor da LL Systems, realizados entre outubro de 2013 e abril de 2015.

“No contexto de cada pagamento, a denúncia também relatou a participação de cada acusado nos atos subsequentes que teriam sido praticados com a finalidade de devolver valores em espécie a agentes da concessionária”, diz trecho da aceitação da denúncia.

Em valores atualizados, conforme o MPF, o valor gerado com o contrato foi de R$ 516,9 mil. O dinheiro foi entregue pessoalmente, em diversas prestações, aos funcionários da Econorte. Um dos réus que firmaram acordo de delação confessou as práticas ilegais.

A denúncia do MPF conta com 53 anexos relacionados à investigação, depoimentos de colaboradores e de réus, o contrato assinado entre as empresas, notas fiscais, dados bancários, fiscais e telefônicos, além de e-mails trocados à época dos fatos(Reportagem: G1)

Confira quem são os réus:

  • Hélio Ogama (colaborador): ex-diretor-presidente da Econorte
  • Hugo Ono (colaborador): ex-gerente de controladoria da Econorte
  • Daniel Ramos Victorino: ex-diretor financeiro da Econorte
  • João Marafon Júnior: advogado da Econorte
  • Luiz Eduardo Angelo: sócio da LL Systems
  • Florinda Aparecida Fabian Angelo: sócia da LL Systems
Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.