Caem crimes e acidentes neste período de restrições da pandemia

“Toque de recolher” nas cidades do Norte Pioneiro é entre 22 horas e 5 horas

O Paraná já está há 37 dias com restrições mais rígidas para a circulação de pessoas e reuniões para evitar a propagação do novo coronavírus. As medidas estabelecidas por decreto do Governo do Estado incluem, entre outras ações, o chamado “toque de recolher” no caso de cidades do Norte Pioneiro, entre 22 horas e 5 horas.

Um balanço da Polícia Militar divulgado neste final de semana mostra que nesta faixa de horário houve redução de crimes e acidentes desde o início da vigência das normas estaduais.  No trânsito urbano (como este da foto principal ocorrido no último dia 3 no centro platinense) , o número de acidentes caiu 31,7%.  Também houve redução de crimes como os roubos (-15,9%), os furtos (-6,4%) e violência doméstica (-2,5%). Os dados se referem a uma comparação entre os períodos de 29 de outubro a 02 de dezembro e 03 de dezembro a 6 de janeiro.

Segundo o subcomandante-geral da PM, coronel Hudson Leôncio Teixeira, alguns fatores contribuíram para o resultado. Ele cita a forte atuação da corporação na fiscalização das medidas e o reforço de orientações das pessoas sobre as normas sanitárias.

O oficial destaca ainda que houve bom senso e colaboração da maior parte da sociedade em respeitar as regras de convívio social e de restrição de circulação. “O acolhimento da sociedade em cumprir as normas restritivas resultou em menos pessoas nas ruas, mais conscientização e respeito, além disso menos crimes e menos acidentes de trânsito”, disse.

ESFORÇO – O coronel explica que a pandemia do coronavírus desafiou os agentes de segurança pública, que prosseguiram no esforço de redução da criminalidade. Com a edição dos decretos do Estado, a Polícia Militar também redobrou as ações preventivas e as orientações para fazer valer os novos padrões de comportamento e de convívio social para minimizar os efeitos da propagação do vírus.

Na quinta-feira (7), o governo estadual renovou até o final de janeiro as normas estabelecidas no início de dezembro com a publicação do decreto nº 6.294. Houve adequações às medidas já adotadas, mas a inédita restrição de circulação de pessoas em um horário específico prossegue.

Um dos objetivos foi o de não inflar a saúde pública com pessoas feridas em acidentes abrindo a possibilidade de ter mais leitos de UTI livres para atender vítimas de Covid”

O coronel Hudson explica que desde a edição dos decretos a Polícia Militar intensificou seu trabalho para inibir o consumo de bebidas alcoólicas em locais públicos e o funcionamento de estabelecimentos comerciais fora do horário permitido, conforme as novas regras estaduais.

Além do efetivo regular, foram reforçados os trabalhos de Ação Integrada de Fiscalização Urbana (AIFU) em todo o estado, com atividades que envolveram prefeituras municipais e outros órgãos.

Os efeitos da restrição de circulação de pessoas e funcionamento de pontos de comércio foram observados na incidência de crimes e nos acidentes de trânsito.

NÚMEROS – Nos 35 dias anteriores ao primeiro decreto, entre os dias 29 de outubro e 02 de dezembro, no horário entre 23 horas e 5 horas, a PM atendeu 2.086 furtos, 440 roubos e 1.086 casos de violência doméstica em todo o Paraná.

Durante a vigência do decreto, houve redução desses três crimes. Os furtos caíram 6,4% (de 2.806 para 2.627), os roubos tiveram queda de 15,9% (de 440 para 370) e as ocorrências de violência doméstica caíram 2,5% (de 1.086 para 1.113).

TRÂNSITO –  Além da criminalidade menor, observou-se uma acentuada queda de acidentes, pessoas feridas e mortes causadas pelo trânsito urbano entre às 23h e 5h. Com a circulação restrita e maior fiscalização das equipes policiais houve queda de 31,7% de acidentes (de 616 reduziu para 421). O número de pessoas feridas teve redução de 18% (de 299 para 245), e os óbitos no local do acidente caíram 20% (de 20 para 16).

Para o subcomandante-geral da PM, coronel Hudson Leôncio Teixeira, a redução nos acidentes de trânsito também possibilitou que menos pessoas necessitassem de atendimento hospitalar no Estado. “Um dos objetivos foi o de não inflar a saúde pública com pessoas feridas em acidentes. Com isso, abrimos a possibilidade de ter mais leitos de UTI livres para atender vítimas de Covid”, esclareceu.

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.