Arns propõe Projeto de Lei para regulamentar uso da maconha

Para fins terapêuticos

O uso da Cannabis medicinal tem sido tema de várias discussões atualmente no Brasil. Órgãos reguladores, governo federal e sociedade têm dividido opiniões. No entanto, a ciência comprova que o uso terapêutico de substâncias encontradas nessa planta, como o Canabidiol (CBD) e Tetrahidrocanabinol (THC), reduzem sintomas de doenças como convulsões, epilepsia e dores. Além disso, os derivados da planta são usados para o tratamento de doenças como a esclerose múltipla, Alzheimer, Parkinson e dores crônicas.

Muitos países já regulamentaram o uso da Cannabis medicinal, como Israel, Canadá, Holanda, Chile e Estados Unidos. Neste contexto, o senador Flávio Arns (Rede/PR) está propondo uma matéria legislativa para que possa haver uma regularização adequada para fins de pesquisa e produção de medicamentos à base da planta e seus derivados.

O senador explica a importância de um Projeto de Lei no Senado sobre o tema. “A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já permite o registro de medicamentos feitos com substâncias como THC e Canabidiol, mas no momento só um produto importado conseguiu essa autorização. Os pacientes que precisam fazer uso dos medicamentos derivados da Cannabis têm que pedir uma liberação da Anvisa para importar o produto. O custo é muito alto e muitos encontram saída apenas na Justiça ou no mercado ilegal. Com uma regularização eficiente, esse processo burocrático seria minimizado”, afirmou.

O projeto de Arns ampara o uso da Cannabis para fins medicinais e sobre a produção, o controle, a fiscalização, a prescrição, a dispensação e a importação de medicamentos, seus derivados e análogos sintéticos. “Tudo com amparo legislativo. Por exemplo, a produção será realizada por pessoa jurídica, autorizada na forma do regulamento. Os medicamentos terão controle especial e fiscalização sanitária e a prescrição por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) será realizada em conformidade com diretrizes terapêuticas definidas em protocolos clínicos”, explicou.

A Anvisa já permite o registro de medicamentos feitos com substâncias como THC e Canabidiol, mas no momento só um produto importado conseguiu essa autorização (…); o custo é alto e muitos encontram saída apenas na Justiça ou no mercado ilegal. Com uma regularização eficiente, esse processo burocrático seria minimizado

Em relação à importação do uso pessoal dos medicamentos, o projeto de lei pretende tornar o procedimento simplificado e de tramitação rápida junto às autoridades sanitárias, aduaneiras e tributárias.

O autor do projeto acredita, ainda, que a regulamentação e produção da Cannabis para fins terapêuticos e científicos representarão uma vitória e benefícios para os pacientes que precisam dela para melhorar sua qualidade de vida.

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.