Afastamento por licença justifica a terceirização

É possível a terceirização dos serviços contábeis nas câmaras municipais em caso de afastamento temporário do único servidor que realiza essa atividade, desde que ela represente economicidade e observe os requisitos do Prejulgado nº 6 do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR). Caberá à corte de contas o controle de legalidade do ato que defere o afastamento e da licitação para contratação dos serviços.
Em relação aos requisitos do Prejulgado nº 6 que devem ser observados, é importante destacar que a contratação deve ser precedida de licitação; o prazo de duração deve ser, preferencialmente, de até 12 meses, com possibilidade de prorrogação justificada; e os valores pagos pelos serviços não podem exceder a remuneração prevista para o servidor efetivo.
Além disso, o edital de licitação deve prever a responsabilização do contratado pelos documentos públicos que manusear; o gestor pode ser responsabilizado pela fiscalização do contrato; e a prestação de serviços não poderá caracterizar vínculo empregatício – de acordo com a CLT, o vínculo é caracterizado pelo controle de horário, subordinação e dependência econômica.
Essas orientações são do Pleno do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR), em resposta a consulta formulada pelo presidente da Câmara Municipal de São José da Boa Vista, Terêncio Barbosa. A consulta do Legislativo desse município do Norte Pioneiro questionou se, no caso de licença-maternidade, licença-prêmio, licença por motivo de doença, ou licença sem remuneração é possível a contratação de empresa para fazer os serviços contábeis por meio de licitação. O consulente também perguntou se, no caso negativo, o procedimento adequado seria o processo seletivo.
O parecer jurídico da assessoria municipal afirmou que é favorável à contratação por meio de licitação, em virtude do menor custo em relação ao processo seletivo.
A Diretoria de Jurisprudência e Biblioteca (DJB) atestou que não existem precedentes específicos a respeito da matéria da consulta no Tribunal, havendo apenas o Prejulgado nº 6. O Ministério Público de Contas (MPC) considerou ser possível a terceirização dos serviços contábeis no caso de afastamento temporário do único servidor que realiza essa atividade, desde que verificada a legalidade do afastamento e que sejam observados os requisitos do Prejulgado nº 6.
O relator do processo, conselheiro Ivens Linhares, votou pela resposta do Tribunal de acordo com o parecer do MPC. Ele lembrou que o Prejulgado nº 6 também possibilita a substituição dos contadores do poder Legislativo pela chamada “contabilidade descentralizada”. Essa opção envolve a assunção dos serviços contábeis da câmara, cumulativamente, pelo contador do poder Executivo, desde que esteja descrito nas atribuições do cargo e ele seja remunerado apenas pela prefeitura. Em quaisquer dos casos, sempre devem ser respeitados os pressupostos da motivação, economicidade e legalidade.
Os conselheiros aprovaram por unanimidade o voto do relator, na sessão do Tribunal Pleno. O Acórdão 1054/16 – Tribunal Pleno foi publicado na edição nº 1.321 do Diário Eletrônico do TCE-PR.

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.