Bombeiros resgatam grupo no Morro do Bim (vídeos)

Transtornos e queixas de novo; ninguém ficou ferido

Incêndio no Morro do Bim, ponto turístico e religioso de Santo Antônio da Platina, causou transtornos nos moradores de residências e comércios do entorno desde as dez horas desta quinta-feira, dia 15. O fogo não causou prejuízos materiais graves, embora principalmente a fumaça tenha provocado problemas e irritado a população da região.

O maior receio é que as labaredas chegassem a torres no alto do morro ou residências na parte mais baixa.

A fumaça densa atingiu quase toda a parte alta do morro, porém não chegou ao Santuário Jesus Misericordioso. O local oferece também uma visão ampla e panorâmica da zona urbana e onde foi instalado também um Cristo Redentor em 1998.

No período da tarde, por volta da 13h, a corporação recebeu o apoio da Prefeitura, de cinco funcionários e também
do Secretário Municipal do Meio Ambiente, Luis Silva, para somar esforços na atividade de proteção e combate. A ocorrência encerrou-se por volta das 15 horas.
A operação de combate, é realizado com abafadores e mochilas costais de 20 litros de água, na qual os combatentes se expõe a alta caloria e fumaça e avançam a pé no terreno, buscando limitar a área em chamas e proteger vegetação ainda não queimada, apagando os focos, num trabalho arriscado e corajoso. A queimada devastou algumas áreas de pastagem e parte da vegetação nativa.
Os bombeiros fizeram resgate de quatro jovens que faziam um ensaio fotográfico de comemoração de aniversário, que ficaram presas próximas ao Cristo, em razão da baixa visibilidade que a fumaça provocou, sendo amparados pelos bombeiros e conduzidos para um local seguro.
Em razão das baixas temperaturas e da falta de chuva, as vegetações sofrem ressecamento, o que facilita a ignição e propagação do fogo. Neste sentido, o 7º Subgrupamento de Bombeiros independente orienta a população a evitar queimadas com objetivo de limpeza de terrenos e quintais, pois qualquer fagulha já é suficiente para propiciar ocorrências como a desta quinta-feira.

A tenente Ivna Caroline Dias informou ao npdiario que ainda não se sabe a causa, que pode ter sido acidental ou criminosa. Ela orienta as pessoas a não fazerem limpeza e atearem fogo, pois o vento leva brasas que causam os sinistros.
“Pode ser uma bituca de cigarro ou uma fagulha, o tempo seco entre a segunda quinzena de julho e até outubro, favorece esses incêndios ambientais todos os anos”, assinalou.

“Precisa saber de quem é esse terreno e multar pesado! Precisa fazer uma prevenção. Se a gente não cuida de nossos terrenos desabitados vem multa pesada! Para essa pessoa nada! Moro aqui (perto do Morto) desde 1996 e quase todos os anos é a mesma coisa”, reclama a vizinha Angela. Seu marido, Sérgio Bacrtold, chegou a propor um abaixo-assinado solicitando providências urgentes.

A altitude total do morro é de 668 metros. A secretaria de Agricultura e Meio Ambiente permanece atenta, agradece aos envolvidos, bombeiros e voluntários. Na próxima segunda-feira, dia 19, retornam os trabalhos normais. Os funcionários estão de recesso, assim como em  todos os municípios do país, funcionando apenas os serviços essenciais.

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Categorias e tags

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.