Ex-prefeito deve restituir remuneração

O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) julgou irregulares as contas de 2008 do Município de Siqueira Campos, sob responsabilidade de Luiz Antônio Liechocki(foto), prefeito naquele ano. Em função da decisão, o ex-gestor e seu vice, Manoel Estevam Velasque, deverão restituir os valores excedentes que receberam por remuneração irregular, devidamente atualizados – R$ 15.508,98 e R$ 4.652,66, respectivamente. Liechocki também recebeu cinco multas de R$ 1.450,98, três de R$ 145,10 e uma de R$ 725,48, totalizando R$ 8.415,68.
Os motivos para a desaprovação foram o pagamento de remuneração dos agentes políticos acima do valor devido; as inconsistências nos saldos contábeis em relação aos estratos bancários; a movimentação de recursos em instituição financeira privada; a omissão de conta corrente no sistema informatizado do TCE-PR; e as despesas com publicidade em ano eleitoral com valor superior ao aplicado no ano anterior.
Além disso, não foram repassados ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e ao Regime Próprio de Previdência Social (RPPS); houve falhas na contabilização do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) referente à Câmara Municipal; e as despesas com pessoal continuaram acima do limite prudencial. Também faltou o encaminhamento de documentos relativos à prestação de contas ao Tribunal.
A Diretoria de Contas Municipais (DCM), responsável pela instrução do processo, opinou pela irregularidade das contas e o Ministério Público de Contas (MPC), que teve o mesmo entendimento da unidade técnica, manifestou-se pela aplicação de sanções.
Ao fundamentar seu voto, o relator do processo, conselheiro Ivens Linhares, concordou com os opinativos da DCM e do MPC quanto à irregularidade das contas, com ressarcimento de valores e aplicação de multas. Ele destacou que a origem da irregularidade foi a concessão, em 2005, primeiro ano do mandato de Liechocki, de um reajuste de 15,38% aios subsídios do prefeito e do seu vice, enquanto a inflação naquele período foi de 6,61%. Por isso, ele aplicou aos responsáveis as sanções previstas nos artigos 87 e 89 da Lei Orgânica do Tribunal (Lei Complementar Estadual nº 113/2005).
Na sessão de 12 de janeiro da Primeira Câmara, os conselheiros acompanharam o voto do relator por unanimidade ainda determinaram o envio de cópias dos autos ao Ministério Público Estadual.
Liechocki pode recorrer.

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.