Jovens cientistas do NP são premiados

Os quatro são estudantes do Instituto Federal do Paraná/Campus Jacarezinho

O deputado Luiz Cláudio Romanelli (PSB) parabenizou nesta quarta-feira, 4, os estudantes Grazielle Rodrigues da Silva, Débora Bueno Magalhães, Maria Clara de Oliveira Martins e Pedro Henrique Azevedo de Oliveira (foto) do Instituto Federal do Paraná/Campus Jacarezinho. Os quatro participaram da 2ª FBJC (Feira Brasileira de Jovens Cientistas) e receberam premiação pelas inovações apresentadas no evento.

“O Norte Pioneiro tem se destacado no cenário nacional com projetos desenvolvidos em cursos de graduação ou técnicos, o que demonstra que o investimento em pesquisa e tecnologia faz a diferença na qualidade do ensino”, avalia.

Grazielle Rodrigues da Silva, do curso Técnico em Alimentos e Débora Bueno Magalhães, do curso Técnico em Informática receberam o prêmio “Inovação na área ambiental”. Elas apresentaram o trabalho sobre “Biorremediação como alternativa para revitalização do Ribeirão Ourinhos na cidade de Jacarezinho”.

A estudante Maria Clara de Oliveira Martins, do curso Técnico em Alimentos apresentou trabalho sobre “Carvão ativado a partir das cinzas do bagaço da cana-de-açúcar, para a absorção do corante azul de metileno” e ganhou o prêmio “destaque em criatividade”. Ela foi orientada pelo professor Pedro Renato Anizelli.

Já o estudante platinense Pedro Henrique Azevedo de Oliveira, do curso Técnico em Informática ficou em terceiro lugar na categoria Ciências Exatas e da Terra com o projeto “Sistema gamificado para auxiliar no desenvolvimento cognitivo e aprendizado de crianças portadoras de TDAH”.

FBJC — Ao todo, 182 projetos foram finalistas da 2ª Feira Brasileira de Jovens Cientistas e mais de 800 finalistas (estudantes com e sem projetos, orientadores e coorientadores) participaram do evento. Eles são representantes de 242 escolas localizadas em todo o Brasil.

O evento contou com mais de 200 avaliadores, teve 18 workshops, mais de 150 mil visualizações no site da FBJC, 44 equipes na maratona de inovação e diversidade. Mais de 60% dos estudantes são meninas, mais de 40% se identificam como pretos, pardos, amarelos ou indígenas e 63% são de instituições públicas.

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Categorias e tags

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.