Tem gente em Brasília achando que paranaense é jacu, diz Roma

Haverá um faturamento médio de aproximadamente R$ 5 bilhões   

O deputado Luiz Cláudio Romanelli (PSB) alertou nesta sexta-feira (26) sobre o expressivo aumento do faturamento das concessionárias que deverão assumir o sistema de pedágio nas rodovias no Paraná. “Se vai dobrar o faturamento, como que o pedágio vai ficar mais barato?”, perguntou durante audiência pública da Frente Parlamentar sobre o Pedágio, realizada em Apucarana.

Segundo ele,  o estudo feito pelo Ministério da Infraestrutura para orientar o leilão de rodovias que cortam o Paraná demonstra que haverá um faturamento médio de aproximadamente R$ 5 bilhões por ano ao longo das três décadas das concessões. Hoje, o faturamento médio anual no Anel de Integração é de cerca de R$ 2 bilhões.

“Tem gente em Brasília achando que o paranaense é um bando de Jacu. Que não sabe ler o que eles escreveram”, declarou o parlamentar. Ele frisou que o projeto imposto ao Estado manterá as tarifas elevadas para garantir fluxo de caixa positivo para as concessionárias. “Este filme a gente já assistiu. Não tem fluxo de caixa mais positivo que o das atuais concessões do Paraná. Nem por isso, as obras aconteceram”.

O deputado pontua que a receita das concessões será de R$ 156 bilhões em 30 anos, enquanto o compromisso de investimentos alcança R$ 42 bilhões e de operação outros R$ 36 bilhões. “Somente 27% das receitas vão virar obras de melhoria das estradas, e o número de praças de cobrança vai aumentar em 55%”, afirmou Romanelli.

MENOR PREÇO – 
Romanelli reiterou que a sociedade paranaense quer uma licitação pelo menor preço de tarifa, e não concorda com o chamado modelo híbrido de licitação, pois ele limita a concorrência ao prefixar tarifas e degraus tarifários.

Segundo o deputado, o governo federal está mantendo uma espécie de taxa de outorga, apesar do Ministério da Infraestrutura sustentar o contrário ao dizer que o valor a ser recolhido no caso de desempate no leilão ficará na concessão. “Não sei o que é pior. Que o dinheiro vá para os cofres públicos ou que fique com as concessionárias”.

Para Romanelli, o modelo da futura concessão é “menos ruim” que o atual, mas precisa de muito aperfeiçoamento. “Ao olhar os detalhes, percebemos que vai repetir os mesmos erros. E por 30 anos de exploração, disse. “Ninguém é contra um bom programa estruturante. Não queremos tarifas inexequíveis. Queremos valores justos”.

CORECON
 O parlamentar também cobrou uma solução que dê garantia real para a realização de obras previstas nos seis lotes. Ele defende o modelo proposto pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (Corecon), que indica um depósito de caução das empresas, de no mínimo 15% do valor total das obras previstas para cada lote.

De acordo com o Corecon, o valor da caução poderia ficar depositado no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e serviria também para alavancar operações de crédito das futuras concessionárias junto à própria instituição.

NOVA CONCESSÃO
 Os atuais contratos de concessão dos 2.500 quilômetros do Anel de Integração se encerram em novembro e as novas licitações estão previstas para este ano. Ao todo, o Ministério da Infraestrutura planeja conceder 3.327 quilômetros de rodovias estaduais e federais divididos em seis lotes com 42 praças de pedágio, 15 praças a mais do que atualmente.

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.