Ruralistas se posicionam contra a venda de terras a estrangeiros

Segundo Paulo Orso, aprovar um projeto desse tipo é entregar a soberania nacional de bandeja aos estrangeiros

No dia 15 deste mês dezembro foi aprovado, pelo Senado Federal, o Projeto de Lei 2.963/19, que permite a compra ou o arrendamento de áreas rurais por estrangeiros, tanto pessoas físicas quanto jurídicas.

O projeto, que limita essa aquisição a até 25% do território de cada Município, antes de seguir para apreciação da Câmara dos Deputados enfrenta forte rejeição. “Não podemos deixar isso avançar. É uma questão de soberania nacional?”, protestou Paulo Orso, presidente do Sindicato Rural de Cascavel.

O projeto, de autoria do senador Irajá (PSD-TO), determina que as áreas rurais deverão cumprir sua função social. Para a aquisição de imóveis em áreas indispensáveis à segurança nacional, os compradores estrangeiros deverão obter autorização prévia, o mesmo ocorrendo com áreas da Amazônia. Para o autor, o projeto pode injetar R$ 50 bilhões por ano na economia.

Segundo Paulo Orso, aprovar um projeto desse tipo é entregar a soberania nacional de bandeja aos estrangeiros. “O agronegócio é o principal setor da economia brasileira, batendo recorde atrás de recorde todos os anos. Vender essas terras para o pessoal de fora pode prejudicar esses índices”, comentou.

Além disso, Orso disse que o setor já é totalmente dominado por empresas multinacionais. Sementes, adubos, fertilizantes e máquinas são todos oriundos de empresas estrangeiras (com filiais locais), e praticamente os únicos bem nacionais são as cooperativas, os produtores e as terras.

“Não podemos pensar na quantidade de recursos que podem vir de fora. A venda pode acontecer, mas está cheio de investidores brasileiros que podem adquiri-las. Com essa comercialização, podemos ficar de fora de todas as etapas comerciais da produção de grãos, por exemplo. Uma empresa de fora pode produzir tudo aqui e mandar tudo para fora, sem ficar um real no País”, analisou.

SITUAÇÃO ATUAL

O projeto em questão revoga a Lei 5.709/1971, que prevê uma série de restrições para que não brasileiros possam adquirir terras no País, como a limitação de dimensões das áreas que podem ser compradas e a exigência de autorização prévia do Incra.

Há aproximadamente 20 anos o assunto voltou ao debate, com pareceres favoráveis da AGU (Advocacia-Geral da União) para o controle estrangeiro. No entanto, a entidade voltou atrás em 2010 e desde então permanece o impasse.

Fonte: Alerta Paraná

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.