Ratinho apresenta plano de governo à Assembleia Legislativa

Propostas vão orientar a gestão do Executivo 

O governador Carlos Massa Ratinho Junior entregou à Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) nesta segunda-feira (4) as propostas que vão orientar a gestão do Executivo estadual pelos próximos quatro anos. O documento, explicou Ratinho Junior, foi construído em parceria com a sociedade civil e compila todos os compromissos da nova administração, com foco na transparência, política de concessões, avanços sociais e projetos estratégicos de longo prazo.

O plano é dividido em três grandes áreas (gestão de governo, desenvolvimento econômico e desenvolvimento social) e engloba a modernização de áreas fundamentais como saúde, educação e segurança, além de programas para o agronegócio, infraestrutura e turismo. Ratinho Junior deu ênfase ao estímulo para o crescimento econômico e para geração de emprego e renda, além de garantir prioridade com o gasto de recursos públicos.

É possível imprimir outro ritmo e outra dimensão ao Estado. O lento, moroso, grande e pesado pode ser substituído pelo eficiente, justo e dinâmico”

No discurso, o governador enfatizou que as propostas já estão sendo colocadas em prática. “Para imprimir a agilidade que o nosso ritmo exige e que a sociedade espera, reduzimos o número de secretarias de 28 para 15 e ajustamos esse modelo com uma contingência mínima de 20% nos gastos com pessoal e nas despesas”, afirmou.

Ratinho Junior destacou que em apenas um mês entregou o avião de uso exclusivo do governador, congelou o salário do primeiro escalão, determinou a instauração de uma auditoria nas folhas de pagamento dos servidores ativos e inativos e instituiu um programa de compliance. Ao mesmo tempo Detran e Copel enxugaram pelo menos R$ 22 milhões anuais com revisões de contratos.

“Esses são alguns exemplos que de é possível imprimir outro ritmo e outra dimensão ao Estado. O lento, moroso, grande e pesado pode ser substituído pelo eficiente, justo e dinâmico”, destacou. “Garanto que vamos economizar muito dinheiro, principalmente nas áreas de segurança, saúde, nas estatais (Copel e Sanepar). Estamos realizando um diagnóstico para que o dinheiro público possa ser melhor investido no Paraná”.

Participaram da cerimônia no Plenário Aníbal Khury o chefe da Casa Civil, Guto Silva, e o secretário de Comunicação e Cultura, Hudson José.

PEC DA APOSENTADORIA – O governador já encaminhou à Assembleia Legislativa a primeira proposta da gestão. Trata-se da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que propõe o fim do pagamento de aposentadorias de governadores. Ratinho Junior afirmou que a medida se soma a outras ações do governo para diminuir o inchaço da máquina pública.

“Foi a nossa primeira proposta. A urgência vai ser natural na votação. A economia é difícil de ser calculada porque se o projeto for aprovado ele vale para o resto da vida e da história do Estado. Além disso tem uma questão simbólica, a demonstração muito clara da nova maneira de fazer política, que escuta o calor das ruas. Isso gera frutos, pelo menos aqui no Paraná”, declarou. Atualmente, nove ex-governadores e três viúvas de ex-mandatários do Estado recebem aposentadoria. O subsídio mensal bruto é de R$ 30.471,11.

PPPs – Ratinho Junior também recebeu a notícia da aprovação da redação final do projeto de lei que cria o Programa de Parcerias do Paraná (PAR). O texto será sancionado nesta terça-feira (5) durante o Paraná Day, evento que contará com a participação de mais de 120 empresários e investidores.

“Nós temos a lei mais moderna do Brasil, que vai propiciar grandes investimentos para o Estado. Serão concessões de rodovias, ferrovias, que vão gerar emprego para os paranaenses. A legislação traz agilidade e transparência para o processo ao deixar muito claro o papel do ente público e do investidor privado, além de fortalecer a independência da Agepar (Agência Reguladora do Paraná)”, afirmou. “O Paraná passou a ser um bom protagonista no país”.

LEI ANTICRIME – O governador Carlos Massa Ratinho Junior participou nesta segunda-feira (4), em Brasília, do lançamento do projeto de lei anticrime apresentado pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. “É o pacote de leis que o Brasil precisa para combater o crime organizado. Vai ter mais rigidez com os bandidos e com quem não usa arma, mas usa o poder público para se beneficiar”, afirmou.

O projeto que será encaminhado ao Congresso Nacional traz mudanças em 19 áreas, incluindo alterações na legislação eleitoral para criminalizar o Caixa 2, a definição de execução da pena após condenação em segunda instância e a instituição de uma modalidade de negociação mediante confissão do crime. O projeto propõe alteração em 14 leis do Código Penal, Código de Processo Penal, Lei de Execução Penal, Lei de Crimes Hediondos e Código Eleitoral.

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.