Premiada pesquisa de professora da UENP

Mayra Costa potencializou controle biológico da Ferrugem Asiática da Soja

A soja é a principal commodity brasileira. Somente na safra 2020/21, o Brasil deverá alcançar a produção de 268,9 milhões de toneladas, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Mas os dados animadores são sempre acompanhados de muita preocupação pelos sojicultores que convivem ainda com a temida doença Ferrugem Asiática da Soja (FAS), que pode causar perdas de 30% a 90% da produção, dependendo das condições ambientais e do manejo que se dá à cultura, relata a professora do mestrado em Agronomia da Universidade Estadual do Norte do Paraná, Mayra Costa da Cruz Gallo de Carvalho. À frente de uma pesquisa para controle biológico da doença, a pesquisadora isolou fungo colonizador de lesões da ferrugem da soja e identificou formas de uso no biocontrole da doença.

As condições climáticas são fundamentais nas epidemias de FAS, uma vez que as chuvas bem distribuídas ao longo da safra favorecem o rápido desenvolvimento da doença e quanto mais tarde a doença chega menores podem ser os danos à produção.

“As perdas em decorrência da FAS foram brutalmente controladas com o emprego de fungicidas químicos, mas desde as safras de 2003/2004 esse controle tem sido menos efetivo, em função da evolução da resistência a campo com consequente queda de eficiência dos químicos. Hoje não se consegue controlar da mesma forma que antes a ferrugem com os químicos disponíveis, temos uma porcentagem de controle que fica entre 40 e 70%”, aponta Mayra. Além disso, o uso de químicos vem sendo cada vez mais questionado pela sociedade como um todo por razões ligadas a saúde humana e ambiental.

O fungo identificado como agente de biocontrole da FAS pertence a um gênero de fungos que atua como promotores de crescimento em plantas e com habilidades de proteção do vegetal contra uma variedade de doenças. No entanto essa é a primeira vez que o gênero é apontado como agente de controle da ferrugem o que possibilitou o depósito de um pedido de patente.

Através da pesquisa desenvolvida na UENP, foi feita a identificação de microrganismo que naturalmente ocorre nas lesões da FAS, o microrganismo foi isolado, multiplicado e testado de forma in vitro, e in vivo em experimentos em casa de vegetação e em duas safras a campo. “Obtivemos como resultado um bom controle da severidade da doença na pulverização preventiva do agente de biocontrole”, explica a professora.

Os métodos desenvolvidos pela pesquisa caracterizam-se pelo uso do biocontrole de forma preventiva, antes da infecção inicial da FAS, porém uma eficiência maior deverá ser alcançada com mais aplicações.

A professora explica que a ferrugem é uma doença policíclica, inicia um novo ciclo a cada 8 ou 10 dias, então a prevenção pode ser pensada também a cada ciclo de esporulação. “Agora estamos testando um número maior de aplicações no campo. Nos dois primeiros testes a campo foi realizado uma única aplicação, de forma preventiva a chegada da doença, que resultaram em controles positivos de até 30%. Agora temos ensaios no campo onde vamos aumentar o número de aplicações. Assim como se faz com fungicida, será aplicado de duas até quatro vezes, para ver se aumenta a eficiência”. Nesse momento, estamos também com uma parceria firmada com a empresa Leaf Agro para aumento da eficiência do produto e testes de registro.

Para a pesquisadora, um achado relevante da pesquisa é que um dos métodos desenvolvidos requer a pulverização da suspensão de esporos do fungo, mas a pulverização apenas do meio líquido de crescimento do fungo, livre de qualquer estrutura dele, apresenta também resultados significativos no controle da doença. Ensaios conduzidos a campo, em associação dos métodos de biocontrole ao uso de fungicidas químicos convencionais, mostraram ainda que o fungo coloniza as lesões de ferrugem mesmo após aplicação dos fungicidas, o que é importante para uma possível integração do biocontrole às práticas de manejo da FAS.

A princípio, segundo Mayra, as descobertas trazem dois benefícios para a agricultura. Um é a potencialidade de uso como controle biológico na agricultura orgânica. O segundo benefício é a possibilidade de integrar o agente biológico ao manejo da cultura já realizado.

A pesquisa ainda está em andamento, o grupo está desenvolvendo outros projetos relacionados, como a investigação por microscopia eletrônica, para poder identificar se há interação direta ou não do agente causador da ferrugem da soja Phakopsora pachyrhizi e o isolado. Como o isolado obtido também mostrou atividade inibitória sofre a ferrugem apenas quando seus metabólitos foram pulverizados, a pesquisa também pretende a identificação dos metabólitos produzidos pelo microrganismo, para saber se é algo já conhecido ou novo. “A pesquisa teve início em 2017 com a acadêmica bolsista de PIBIC, Larissa de Assis Carretts, e continuou com outros estudantes, inclusive um estudante de mestrado, Everson Pedro Zeny. Atualmente, com a parceria estabelecida via AITEC, esperamos em breve ter um produto pronto para o mercado”, conclui a pesquisadora.

Pesquisa premiada

A pesquisa desenvolvida pela professora Mayra Gallo recebeu prêmio no Programa de Apoio à Propriedade Intelectual com Foco no Mercado (Prime), do Governo do Paraná, por meio da Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

O Prime tem foco na transformação do resultado de pesquisas acadêmicas em produtos com potencial de mercado, contribuindo para o desenvolvimento econômico e social do Paraná. A professora Mayra conquistou o terceiro lugar entre os cinco finalistas, com o “Bio-HiJAck, fungicida biológico para combater a ferrugem-asiática”, conhecida como doença da soja.

Confira o vídeo e saiba mais sobre a pesquisa: https://www.youtube.com/watch?v=vpn7EZFykeQ

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.