Paraná perdeu R$ 42 bilhões de FPM entre 1988 e 2015

Denúncia da Associação dos Municípios

Os 399 municípios do Paraná deixaram de arrecadar R$ 42,8 bilhões de FPM (Fundo de Participação dos Municípios) 1988 a 2015 por causa do atual modelo federativo, implantado após a Constituição Federal. Neste período, as cidades paranaenses receberam R$ 88,4 bilhões, mas deveriam ter arrecadado R$ 131,2 bilhões.
Os números foram apresentados nesta quarta-feira,dia 21,em Curitiba pelo presidente da AMP, 2º vice-presidente da CNM (Confederação Nacional dos Municípios) e prefeito de Assis Chateubriand, Marcel Micheletto, na palestra sobre o tema Federalismo Fiscal no Brasil e os Aspectos do FPM (Fundo de Participação dos Municípios), na abertura do 1º Congresso Interestadual de União e Fortalecimento da Vereança, promovido pela Uvepar (União dos Vereadores do Paraná).

Micheletto criticou o fato de, “após a Constituição Federal de 1988, os municípios brasileiros terem acumulado cada vez mais responsabilidades, sem a devida contrapartida de recursos federais. Os números acima ajudam a explicar o fato de os municípios viverem uma das maiores crises da sua história”, comentou.

Insuficiência de repasses

Segundo ele, a Constituição Federal de 1988 e as legislações seguintes trouxeram grandes avanços no campo social, que os municípios defendem e apoiam. Mas, paralelamente, ampliaram significativamente as atribuições das prefeituras, sem a garantia de repasses de recursos suficientes para cobrir as despesas da municipalização dos serviços e dos programas federais.

Após a Constituição Federal de 1988, os municípios brasileiros terem acumulado cada vez mais responsabilidades, sem a devida contrapartida de recursos federais. Os números acima ajudam a explicar o fato de os municípios viverem uma das maiores crises da sua história”

O presidente da AMP citou como exemplo deste problema a insuficiência dos repasses de recursos dos mais de 390 programas federais existentes, que são executados pelos municípios. Na merenda escolar, por exemplo, que custa R$ 4,5 por aluno/dia, as prefeituras recebem apenas R$ 0,36 por aluno/dia. No caso do transporte escolar dos alunos da rede pública de ensino, que custa cerca de R$ 112 por aluno/mês, os municípios recebem somente R$ 12 por aluno/mês.

Isso ajuda a entender porque as prefeituras enfrentam dificuldades para atender melhor à população, sobretudo nas áreas mais sensíveis – como a saúde, a Educação e a assistência social. Não há finanças públicas que sobrevivam a este brutal desequilíbrio entre receitas e despesas, afirmou Marcel Micheletto.

Desigualdade de receitas

Outro problema enfrentado pelas prefeituras, denunciado por Micheletto na palestra, é a desigualdade na distribuição dos recursos entre a União, os Estados e os Municípios. As prefeituras recebem apenas 20% de tudo o que a União arrecada. Já o Governo Federal fica com 54% do bolo tributário e os Estados, com 26%. Esta concentração de recursos não faz sentido porque é nos municípios que a população trabalha e paga impostos. Por isso, é urgente a realização de um novo pacto federativo, que equilibre a distribuição destas receitas, defendeu.

Você terminou a leitura
Compartilhar essa notícia
Categorias e tags
Escrever um comentário

Últimas notícias

Policiais concluem fase de adaptação
56 minutos atrás

Formação de praças da corporação avançou Os alunos do Curso de Formação de Praças (CFP),

Terça e Quarta Verdes na rede Molini’s
59 minutos atrás

Confira todas as ofertas desta promoção  

Foragida pelo crime de roubo em Santo Antônio da Platina
4 horas atrás

O comparsa já está preso e confessou crime A Delegacia de Polícia Civil Santo Antônio

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.