Ministro recebe paranaenses e admite mudança no projeto do pedágio

Virá a Londrina discutir novo modelo de concessão com lideranças     

 

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, virá a Londrina para discutir o novo modelo de concessão das rodovias do Paraná. O assunto foi discutido na manhã desta quarta-feira, dia 24,  em uma reunião entre o ministro e a bancada federal, em Brasília (foto) . A reunião foi agendada, a pedido dos deputados, para apresentar ao ministro as preocupações dos paranaenses quanto ao modelo apresentado nas audiências públicas.

“Saímos da reunião com o ministro Tarcísio muito otimistas. Os paranaenses estamos com muita angústia e muitas dúvidas com relação a esse modelo e, por isso, solicitamos essa reunião e saímos com alguns resultados”, afirma Luísa Canziani (foto com o ministro).

Segundo ela, o ministro deverá vir a Londrina nos próximos 15 dias para conversar com lideranças, representantes do setor produtivo e toda a comunidade para ouvir as demandas e conhecer a situação das estradas e dos locais escolhidos para implantação das praças.
“Pedimos alteração do local da praça programada para ser instalada entre Londrina e os distritos rurais (Maravilha, Irerê, Paiquerê, Guaraicá, Guaravera e Lerroville). Não podemos aceitar que a população seja penalizada dessa forma porque temos muitos trabalhadores, estudantes, produtores rurais que trafegam diariamente por essa estrada e, uma praça de pedágio pode acabar por inviabilizar a atividade dessas pessoas, salienta a deputada Luísa.
Além disso, a deputada pediu mais agilidade para realização das obras do Contorno Norte de Londrina, um projeto de extrema relevância para toda a Região Norte, mas que nunca saiu do papel. “Pelo projeto apresentado, a realização dessa obra está prevista somente para o sexto ano de concessão e, por isso, solicitamos que a obra seja antecipada para o terceiro ano porque é uma obra muito aguardada por todos”, afirmou.

 

Outra reivindicação da bancada federal foi a retirada da outorga onerosa. O modelo proposto pelo governo federal previa que o valor da outorga fosse revertido somente aos cofres da União. Agora, ficou definido que todo esse recurso seja aplicado no trecho licitado. O que podemos esperar é que os valores sejam investidos na construção de obras, na duplicação das nossas rodovias e na segurança. “Foi um encontro bastante produtivo e acredito que, em breve, teremos notícias positivas a todos os paranaenses”, salienta a deputada Luísa Canziani.

O projeto de concessão de mais de 3 mil quilômetros de rodovias, garantiu o ministro, terá 100% dos recursos ofertados durante o leilão serão aplicados no próprio Estado. Ou seja, qualquer valor usado para desempate será utilizado integralmente na própria rodovia em benefício ao usuário.

“Isso, com certeza, vai amortecer o impacto tarifário. O modelo sai daqui muito melhor com esse passo dado, acabando com a outorga e deixando o dinheiro no projeto, deixando o dinheiro no estado do Paraná e fazer com que vire maior investimento e menor tarifa”, avaliou.

Saímos da reunião com o ministro Tarcísio muito otimistas. Os paranaenses estamos com muita angústia e muitas dúvidas com relação a esse modelo e, por isso, solicitamos essa reunião e saímos com alguns resultados

O projeto prevê R$ 42 bilhões de investimentos, em mais de 3 mil quilômetros de rodovias, federais e estaduais, para transformar o agronegócio paranaense e tornar o Estado ainda mais competitivo. Além disso, serão outros R$ 34 bilhões destinados para a conservação das rodovias e contratação de serviços para atendimento aos usuários. “Vamos ter o estado que vai ter seguramente a melhor infraestrutura do Brasil.  Vamos oferecer o melhor ao Paraná. Concessões que vão deixar um legado”, afirma o ministro.

O projeto do Minfra para as rodovias paranaenses já apresenta valores projetados de 25% a 70% menores do que os atuais. E que podem sofrer uma redução média de 15% durante o leilão. Além disso, os motoristas têm opções para pagar ainda menos. Para quem usa o serviço de cobrança automática por “tag”, receberá mais 5% de desconto. E para quem utiliza o mesmo trecho diariamente, acontece uma redução progressiva no valor pago ao longo de 30 dias – o Desconto de Usuário Frequente (DUF).

“Entendemos perfeitamente a chaga, a ferida que o pedágio representa”, destacou o ministro. “Agradeço esse apoio, as colaborações e essa participação da bancada federal. Juntos vamos construir um modelo de sucesso. Um modelo que vai fazer a diferença. Estamos projetando o futuro, falando de esperança, de transformação. O que está sendo construído a várias mãos vai transformar o estado do Paraná”, finalizou.

 

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.