Norte Pioneiro cresce abaixo da média do PR

O Centro Ocidental, que abriga cidades como Campo Mourão e Engenheiro Beltrão, e o Noroeste, de Paranavaí e Cianorte, são as duas mesorregiões paranaenses que mais se beneficiaram da interiorização do desenvolvimento econômico que o Estado vem vivenciando nos últimos anos. De 2010 a 2013, a participação da primeira no Produto Interno Bruto (PIB) estadual cresceu 11%. E a da segunda aumentou 10%.

Na outra ponta, o Centro Oriental, de Ponta Grossa, e o Norte Pioneiro, de Cornélio Procópio, foram as que aproveitaram menos esse processo, com um aumento de participação de cerca de 3%. Somente a Região Metropolitana de Curitiba (RMC), entre as dez mesorregiões, teve queda de participação no PIB no período (-7,28%). Os cálculos foram feitos pela reportagem com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulgou o indicador referente a 2013 na semana passada.
Apesar do crescimento do interior, o PIB da RMC (R$ 145,6 bilhões) ainda representava 43% do total paranaense (R$ 332,8 bilhões). O do Norte Central era o segundo maior, R$ 58,2 bilhões, ou 17,5% do total. Com R$ 39,4 bilhões (11,8%), o Oeste era a terceira mesorregião mais rica.
Das 39 microrregiões, somente seis perderam participação: Cerro Azul (-10,4%) e Curitiba (-8%), na RMC, União da Vitória (-5,3%), no Sudeste, Jaguariaíva (-3,2%) e Telêmaco Borba (-3,23%), no Centro Oriental, e Ibaiti (-1,2%), no Norte Pioneiro. Wenceslau Braz, também no Norte Pioneiro, manteve a mesma participação.
O PIB per capita do Norte Pioneiro, de R$ 18.420, era o menor em 2013, segundo o IBGE. E dentro da mesorregião, a microrregião de Ibaiti era a mais pobre, com uma média de R$ 13,8 mil. Curiúva e Sapopema, com PIBs per capita de R$ 10.850 e R$ 10.950, respectivamente, estão entre os 20 municípios mais pobres do Estado – no total são 399.
O economista e professor da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Vanderlei Sereia, afirma que um dos problemas do Norte Pioneiro é a falta de homogeneidade no solo, o que prejudica a agricultura. “Há áreas com terras pouco férteis”, conta. A baixa qualidade do solo exige uma quantidade maior de insumos, o que aumenta o custo da produção, de acordo com ele. “A agricultura dessas áreas não consegue competir com a mesma força que as outras”, ressalta.
Sereia diz ainda que, no Norte Pioneiro, predomina a exploração familiar da agricultura. “São pequenas propriedades que têm pouco acesso a novas culturas”, afirma. Ele ressalva que há municípios que se desenvolvem com maior velocidade, como Cambará e Santo Antônio da Platina, pois estão conseguindo atrair investimentos. “Mas são situações isoladas”, declara. No caso de Sapopema, de acordo com o economista, a topografia é um agravante. “A declividade não permite produção extensiva”, explica.
Assim como Sereia, o economista Francisco José Gouveia de Castro, diretor do Centro Estadual de Estatísticas do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), afirma que algumas cidades, como Jacarezinho e Siqueira Campos, estão conseguindo atrair indústrias. Para ele, falta ao Norte Pioneiro cidades polos maiores, o que ajudaria a alavancar a economia.
Castro acredita que a mesorregião pode se beneficiar do crescimento da vizinha, a Centro Oriental, que ainda não aparece no PIB de 2013. A maior parte dos projetos aprovados no Programa Paraná Competitivo, do governo estadual, vai se instalar naquela região. “Isso deve favorecer o Norte Pioneiro”, afirma.
O economista considera a interiorização do crescimento econômico do Paraná um fato que, em grande parte, vem sendo possível graças à agroindústria. “O Estado tende a ser cada vez menos desigual”, declara. (Texto: Nelson Bortolin/FL)

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.