Lei ambiental de Rubens Bueno será exibida na Escócia

A atitude é um sinal de que o governo brasileiro acordou para a emergência global de proteção do clima

A lei brasileira de Pagamento por Serviços Ambientais, de autoria do deputado Rubens Bueno (Cidadania-PR), será apresentada nesta semana durante a COP26, em Glasgow, na Escócia. Aprovada na Câmara e no Senado e sancionada pela presidência, as normas, que ressarcem os agricultores e proprietários de terras que protegem o meio ambiente, ainda precisa ser regulamentada pelo governo.

Na conferência mundial, o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, adiantou que o país vai apresentar uma plataforma de pagamento digital por serviços. A ação faz parte do programa Floresta+, que visa remunerar proprietários de terra que preservam áreas nativas.

Para Rubens Bueno, a atitude é um sinal de que o governo brasileiro acordou para a emergência global de proteção do clima. “Foram mais de quatro anos no Congresso nessa batalha. Conseguimos finalmente unir, em um momento raro, as bancadas ruralista e ambientalista. Prova de que a lei, que precisa ser efetivamente aplicada no Brasil, também pode servir de exemplo para o mundo”.

De acordo com Caio Mário Paes de Andrade, secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, em entrevista ao jornal O Globo, essa ação representa uma guinada no entendimento de como ampliar a preservação no país. “Estamos dando uma guinada nisso e vamos olhar para incentivos. Queremos incentivar para que uma floresta, uma árvore de pé tem que valer mais do que uma árvore no chão.

“Trata-se de uma medida que tem um grande impacto para o meio ambiente já que estimula práticas de preservação e recuperação de áreas degradadas. Hoje nossa legislação prevê multas e penas para quem desobedece a legislação ambiental, o que é correto. Mas apenas punir o agressor não tem sido eficiente. É conveniente aliar a isso estratégias que também premiem os que agem corretamente, de modo a fortalecer o contingente dos que lutam em defesa de nossas riquezas naturais e por melhor qualidade de vida das atuais e próximas gerações”, afirmou Rubens Bueno.

Pelo texto, que também é de autoria do ex deputado Arnaldo Jordy (Cidadania-PR), o produtor rural que tomar medidas para preservar áreas ou desenvolver iniciativas de preservação ou recuperação ambiental em sua propriedade, como a preservação de uma nascente, pode ser recompensado financeiramente por isso. A prioridade será para agricultores familiares e empreendedores familiares rurais.

Saiba mais

 O serviço ambiental deverá ser registrado em contrato entre as partes, com especificação sobre as melhorias ambientais assumidas e o valor a receber, além de prazo de contrato e possíveis penalidades. Também estão previstos incentivos tributários, créditos com juros diferenciados, assistência técnica, incentivos creditícios, programa de educação ambiental e medidas de incentivo a compras de produtos sustentáveis.

A gestão da política ficará a cargo do Ministério do Meio Ambiente por meio do Sistema Nacional do Meio Ambiente (Sisnama). Um órgão colegiado composto por representantes do Poder Público, do setor produtivo e da sociedade civil vai propor a métrica de valoração dos contratos de pagamento por serviços ambientais que envolvam recursos públicos.

De acordo com os autores da lei, a medida busca premiar quem “age corretamente” e não degrada o meio ambiente. A prática da compensação surgiu na Costa Rica, na América Central, e chegou a outros países americanos como México e Estados Unidos. No Brasil, a prática é adotada em estados como Santa Catarina, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

A política busca estimular a conservação dos ecossistemas, combater a degradação e fomentar o desenvolvimento sustentável e tem, entre as diretrizes, o uso do PSA para promover desenvolvimento social, ambiental, econômico e cultural de populações tradicionais, povos indígenas e agricultores familiares.

Para fiscalizar o cumprimento dos contratos e o cuidado com o meio ambiente, a proposta cria um cadastro nacional com informações de todas as áreas participantes do programa e dados das áreas ambientais da União, de estados e municípios.

O pagamento poderá ser feito em dinheiro ou em melhorias à comunidade. De acordo com a lei, o dinheiro pelo serviço ambiental ficará livre de tributos, como Imposto de Renda, Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) e PIS/Cofins.

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.