Indústria do PR tem maior crescimento do país

Na evolução mensal, é o segundo resultado positivo consecutivo e o quarto do ano

A indústria paranaense cresceu 1,5% em agosto, na evolução frente a julho, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Apenas sete dos 15 locais analisados na Pesquisa Industrial Mensal (PIM-PF Regional) apontaram crescimento (além do Paraná, evoluíram os parques fabris de Amazonas, Paraná, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina), enquanto a média nacional recuou 0,7%.

O Paraná registra o maior aumento nacional na comparação com agosto de 2020, de 8,7%, seguido por Minas Gerais (6,5%), Espírito Santo (6%), Santa Catarina (5,8%), Rio de Janeiro (1,4%) e São Paulo (0,9%). O setor industrial nacional recuou também nesse indicador, 0,7%, com taxas negativas em nove dos 15 locais pesquisados.

No acumulado de julho a agosto, frente ao mesmo período de 2020, o crescimento no Paraná é de 8,3%, o melhor do País.

Os motores da recuperação nesse recorte mensal (agosto de 2020 e agosto de 2021) foram máquinas e equipamentos (73,9%), veículos e reboques (21,4%), produtos de metal (16%), bebida (11,3%), produtos de madeira (10,5%) e celulose e papel (8,1%). Tiveram destaque, ainda, os segmentos de metalurgia, vestuário e acessórios, e couro e calçados.

No acumulado do ano de 2021 (janeiro-agosto), frente a igual período de 2020, houve crescimento de 15,1% da produção no Paraná, um dos melhores resultados do País. Santa Catarina (20,5%), Amazonas (17,1%), Ceará (16,3%), Minas Gerais (15,6%) e Rio Grande do Sul (15,0%) também registraram taxas mais positivas do que a média nacional (9,2%).

Os grandes puxadores do ano foram máquinas e equipamentos (78,9%), veículos (52,9%), produtos de madeira (38,9%), produto de metal (32,4%), minerais não-metálicos (21,5%), móveis (14,2%) e bebidas (9,7%). A indústria alimentícia aponta recuo de 6,1%.

No acumulado dos últimos 12 meses, a retomada do Paraná também é positiva (13,2%), maior do que a média nacional (7,2%).

“Os dados mais recentes apontam para a retomada da indústria pesada no Estado, principalmente de máquinas e equipamentos, que tem representatividade na estrutura produtiva. Na indústria automotiva, ainda há a falta de insumos e problemas decorrentes da variação cambial, o que impede crescimento mais expressivo”, aponta Francisco Castro, economista do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes). “O que se nota é uma evolução constante, mas ainda que longe dos patamares ideais”.

PESQUISA – A Pesquisa Industrial Mensal Produção Física – Regional produz, desde a década de 1970, indicadores de curto prazo relativos ao comportamento do produto real das indústrias extrativa e de transformação. Traz, mensalmente, índices para 14 unidades da federação cuja participação é de, no mínimo, 1% no total do valor da transformação industrial nacional e, também para o Nordeste como um todo.

FEITO NO PARANA – Apucarana Capital do Bone.
Blue Ocean Confecções em Apucarana
05/10/2020 – Foto: Geraldo Bubniak/AEN
Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.