IBT quer detalhes dos acordos de leniência com o pedágio

Foram muito brandos em comparação com os altos lucros das concessionárias

O deputado Luiz Cláudio Romanelli (PSB) destacou nesta quarta-feira, 9, o pedido do IBT (Instituto Brasil Transportes) sobre os detalhes e aplicação dos acordos de leniência feitos pelo MPF (Ministério Público Federal) com as três concessionárias de pedágio: Ecorodovias, Ecovia e Econorte. “Para o IBT, o que também concordo, ainda não está claro se as concessionárias cumpriram com a íntegra e dos detalhes dos acordos que vale destacar também que não teve anuência do Estado”, disse Romanelli.

O pedido do IBT foi encaminhado ao Governo do Estado. O instituto questiona se as obrigações previstas nos acordos estão sendo cumpridas e lembra que pelos ilícitos, as concessionárias, a Ecorodovia e a Ecovia foram obrigadas a restituir R$ 370 milhões e a Econorte, R$ 715 milhões, a título de reparação de danos. A Ecorodovia e a Ecovia foram multadas em R$ 30 milhões e a Rodonorte, em R$ 35 milhões.

O IBT pede a apresentação pelo MPF de relatório bimestral “comprovando e detalhando a aplicação dos valores previstos na concessão de desconto aos usuários” e o documento “que conste proposta das obras consideradas prioritárias pelo Estado que já não estejam previstas até o final do contrato”.

No pedido, mais duas questões: “apresentação de projeto executivo com cronograma de execução, valores de gastos correspondentes aos marcos temporais, prazo de conclusão de obras e proposta de seguro-garantia” e o “compromisso de fiscalização das obras pelo Estado, inclusive no tocante à checagem mensal de atraso no cronograma, com emissão de relatório mensal”.

MPF A resposta do Governo, segundo o IBT, foi lacônica. “A Coordenadoria de Concessão e Pedágios do Estado do Paraná, órgão da Secretaria de Infraestrutura e Logística, sugeriu que o IBT busque diretamente junto ao MPF os documentos que tem interesse”, disse o presidente do instituto, Acir Mezzadri.

“É o que faremos! Mas fica a pergunta: o Estado, principal lesado por todos esses anos de pedágio não está fiscalizando o cumprimento do acordo de leniência?”, completa Mezzadri.

Os acordos de leniência, segundo o IBT,  já foram muito brandos em comparação com os altos lucros obtidos pelas concessionárias. “O povo paranaense tem o direito de saber se as concessionárias vem cumprindo o que combinaram”, completa Mezzadri.

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.