Polícia Civil conclui inquérito e não indicia os 3 PMs investigados

Andrei Orsini Francisquini morreu em maio de 2019

Após três anos, a Polícia Civil (PC-PR) finalizou o inquérito que apurava a morte do jornalista Andrei Gustavo Orsini Francisquini, de 35 anos, em Curitiba, após ele fugir de uma abordagem policial. No caso, que aconteceu em maio de 2019, três policiais militares eram investigados.

Francisquini morreu no carro em que estava, ao ser alvejado por tiros na Praça da Espanha após fugir de uma abordagem policial. No carro dele, segundo a polícia, uma pistola foi apreendida. A família nega que ele estivesse armado.

Os três envolvidos chegaram a ser afastados para tratamento psicológico, segundo a PM. O caso foi marcado por impasse judicial, com suspensão do inquérito temporariamente pela Justiça.

“O simples relato dos familiares da vítima alegando que este não possuía arma de fogo e que não tinha perfil de quem possuiria não é suficiente para afirmar que ele não tinha arma de fogo. A arma de fogo foi apreendida pelos policiais militares no local dos fatos, onde havia muitas pessoas no entorno e, apesar de não aparecer este momento específico nas imagens juntadas aos presentes autos, não se apurou nenhum indício de que a arma de fogo não estivesse realmente com a vítima quando esta morreu”, diz o documento da polícia.

Próxima fase

Com a finalização do inquérito, segundo a Polícia Civil, o resultado será avaliado pela Promotoria de Justiça, que poderá pedir o arquivamento ou denunciar os envolvidos, o que iniciaria um processo criminal.

Em nota, o advogado Claudio Dalledone Júnior, que defende os policiais, disse que a avaliação da Polícia Civil foi criteriosa, reforçando que os envolvidos agiram “em defesa própria e em defesa de terceiros”.

Os advogados do acusado, Paulo Cezar de Cristo e Bruno Landarin Horn, disseram que a família ficou surpresa com o posicionamento no relatório, o que os deixou apreensivos frente “ao longo destes três anos de investigação, paralisação e retorno das atividades com a delegada”.

Informaram, também, que apesar de discordarem, eles respeitam a indicação e irão aguardar a posição do Ministério Público quanto ao documento.

O caso

Em 12 de maio de 2019, conforme a investigação, o jornalista e publicitário estava sozinho no carro, na Avenida Vicente Machado, e fugiu de uma abordagem de policiais militares. A perseguição terminou na Praça da Espanha, com o carro de Andrei alvejado pela polícia.

Na época, a PM informou que o empresário foi baleado porque fugiu e portava uma arma no veículo. A família de Andrei negou que ele estivesse armado.

Andrei morreu antes da chegada de uma equipe do Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate).

A mãe de Andrei, Daisy Orsini, afirmou que o filho tinha uma prestação do veículo atrasada e estava com o IPVA vencido.Em entrevista à RPC, ela disse acreditar que Francisquini pode ter fugido da abordagem por causa de pendências do carro.

Fonte: G1/Fotos: Facebook e Tonny Mattoso/RPC

 

Você terminou a leitura
Compartilhar essa notícia
Escrever um comentário

Últimas notícias

Policiais concluem fase de adaptação
3 horas atrás

Formação de praças da corporação avançou Os alunos do Curso de Formação de Praças (CFP),

Terça e Quarta Verdes na rede Molini’s
3 horas atrás

Confira todas as ofertas desta promoção  

Foragida pelo crime de roubo em Santo Antônio da Platina
5 horas atrás

O comparsa já está preso e confessou crime A Delegacia de Polícia Civil Santo Antônio

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.