Prefeito de Siqueira Campos entra com Agravo no TJ para evitar afastamento

Acusado de improbidade administrativa nega participação em desvio de combustíveis

                               VEJA DOCUMENTOS ABAIXO

Uma decisão provisória da Juíza da comarca de Siqueira Campos, Viviane Cristina Dietrich, determinou o afastamento do prefeito de Siqueira Campos Fabiano Lopes Bueno (PSB). Ele, conhecido como “Bi”, é réu numa ação por improbidade administrativa.Por telefone ao npdiario no final da manhã desta sexta-feira, ele se defendeu afirmando que o chefe da garagem pegava requisições na prefeitura para abastecer de diesel ônibus velhos e parados em vez da frota normal de coletivos, “ele foi pressionado e resolveu colocar a culpa no prefeito, não tenho nada a ver com isso”, salientou.
O político informou ter determinado a abertura de sindicância para apurar o caso.
Ele está em Curitiba, onde entrou com agravo no Tribunal de Justiça para derrubar a liminar.

                         

 

De acordo com o Ministério Público do Paraná, o chefe do executivo e um empresário local teriam desviado dinheiro público através de requisições falsas pretensamente destinadas ao abastecimento de veículos da frota da prefeitura.

Os promotores disseram  que os carros que ” abastecidos” estavam sem condições de uso, parados na garagem do município, o que Bi também declarou ser verdade, “tudo o que o MP afirma é procedente, mas eu não mandei e nem recebi nada de ninguém”, insistiu.
Ele acredita que até segunda-feira, dia 17, já tenha conseguido a decisão judicial que o manterá na função.

Ainda conforme as investigações, teriam sido realizadas reuniões na administração municipal entre os envolvidos para supostamente produzir documentos falsos com o objetivo de encobrir os pagamentos irregulares.

“Além disso, o prefeito teria proposto a instauração de uma sindicância para atribuir falsamente a responsabilidade pelas ilegalidades a um funcionário público municipal subordinado, que terias sido persuadido por ele a assumir a culpa pelas irregularidades”, afirma o MP.

A base do pedido do Ministério Público é por tentativa de obstrução de investigações que vinham sendo conduzidas pelo Ministério Público Estadual (MPE), que apura abastecimento ilegal de veículos particulares na conta da prefeitura.

Os salários de Fabiano foram mantidos. A outra parte envolvida é a empresa Weverton Silvério da Silva/ME, microempresa que estaria abastecendo em nome da prefeitura.

O vice,Luiz Henrique Germano (MDB) assumirá o cargo assim que o presidente do Legislativo ser notificado para marcar sua eventual posse.

Veja todos os detalhes da ação nos documentos abaixo obtidos com exclusividade pelo npdiario.

 

 

 

 

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.