Prefeita de Quatiguá não teve mandato cassado

Rumores indicavam que a jovem política teria sido afastada do cargo

A promotora eleitoral Tânia Regina Pinho de Araújo Abreu, de Joaquim Távora, apresentou parecer técnico conclusivo, segunda sua avaliação, manifestando-se pela desaprovação das contas da então candidata Adelita Parmezan de Moraes (foto) “em virtude da realização de despesas com verba do fundo especial de financiamento de campanha em desacordo com o que determina a legislação”, determinando que  devolva um valor de pouco mais de R$ 40 mil.

Também foi acusada de aberturas de contas bancárias além do prazo legal e movimentação de recursos do fundo especial de financiamento de campanha  em conta não específica para referido fim, entre outros.

Ela foi notificada e já apresentou justificativas.

Só que circula na cidade nesta semana boato segundo o qual ela teria tido o mandato cassado, o que não é verdade, “estamos ainda no prazo recursal, houve problemas contábeis apenas… Estamos trabalhando normalmente” afirmou ao npdiario na tarde desta quarta-feira, dia 24.

 

 

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.