Estudantes catalogam aves em Bandeirantes

Visando incentivo da preservação registraram 91 espécies

Acadêmicos do curso de Ciências Biológicas da Universidade Estadual do Norte do Paraná (Uenp) realizam um levantamento da avifauna do Campus Luiz Meneghel, em Bandeirantes. Em três meses já foram registradas 91 espécies, entre elas pica-pau-de-cabeça-amarela, falcão-de-coleira, urutau, tucanuçu e coruja-buraqueira. A pesquisa registra as aves encontradas em diferentes áreas de vegetação.

“Os projetos são importantes para a proteção das espécies de aves do local, pois só protegemos aquilo que conhecemos. Por isso, conhecendo a diversidade da avifauna do local, podemos passar esse conhecimento para a sociedade, professores, alunos, visitantes, crianças, funcionários e equipe acadêmica”, explica o estudante Lucas Cordeiro Costa da Silva. Ele sempre teve interesse pela ornitologia (estudo das aves).

Roberta Souza Annunciato Busato passou a se interessar pela área durante a graduação. “A ideia do projeto surgiu em uma conversa com o nosso orientador Diego Resende Rodrigues e, assim, juntamos o carinho pela ornitologia com a vontade e a curiosidade de descobrir as espécies de aves do Campus Luiz Meneghel. Após isso, firmamos a parceria com a nossa coorientadora Paula Guarini Marcelino, que desde então tem nos ajudado demais no desenvolvimento desse projeto”, relata.

PROTEÇÃO  Atualmente, os alunos desenvolvem dois projetos diferentes: o trabalho do Lucas é realizado na área principal do campus e nascente 1. O de Roberta é em uma área de matriz com vegetação mista (Sistema Agroflorestal no entorno) mais afastada, na nascente 2. Segundo Lucas, o objetivo dos trabalhos é fazer o levantamento da avifauna do Campus, que ocorre nos diferentes tipos de vegetação.

Os estudantes iniciaram as coletas em junho de 2021 e vão estender até junho de 2022. Apesar de o objetivo dos dois trabalhos serem parecidos, as metodologias adotadas são diferentes, pois são áreas distintas.

“O trabalho no Campus possui quatro pontos fixos de observações e um transecto, que é uma rota pré-definida que acontece no início da manhã e no final da tarde, se estendendo até o início da noite”, relata Lucas.

“Já na nascente dois, o trabalho ocorre em uma matriz de vegetação heterogênea, possui apenas dois pontos fixos por se tratar de uma área menor e um transecto que também acontece no início da manhã e no final da tarde, e também se estende até o início da noite”, descreve Roberta.

SURPRESA – O resultado parcial do levantamento da avifauna do Campus vem surpreendendo cada vez mais os estudantes. Entre as aves que também já foram catalogadas estão o príncipe (Pyrocephalus rubinus), o choró-boi (Tabara major); o canário-da-terra (Sicalis flaveola); o martim-pescador-grande (Megaceryle torquata); e o besourinho-de-bico-vermelho (Chlorostilbon lucidus).

A dupla pretende, futuramente, preparar um material didático, numa espécie de guia, com todas as espécies monitoradas. Enquanto isso, visando aproximar mais as pessoas da natureza e animais, os estudantes criaram um perfil  no Instagram para divulgar os registros com informações sobre as aves.

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.