Econorte desativa praça e reduz preço do pedágio

Concessionará “tomou medidas legais e judiciais para assegurar seus direitos” 

A praça de pedágio em Jacarezinho foi desativada na manhã desta segunda-feira, dia dez, após a Concessionária Econorte ser notificada pela Justiça Federal. As cancelas foram liberadas por volta das dez horas. A empresa ainda baixou os valores das tarifas nas praças de Jataizinho e Sertaneja.
Em 17 dias, essa foi a segunda determinação da Justiça Federal para desativar a praça de pedágio e reduzir as tarifas em 26,75%. A primeira determinação foi cumprida do dia 23 de novembro até quinta-feira (6), quando a liminar foi suspensa pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).
A última decisão é de quinta-feira (6), quando a 1ª Vara Federal de Curitiba confirmou a decisão liminar do juiz de Jacarezinho.
A Concessionária Econorte informou, por meio de nota, que está cumprindo a determinação da Justiça. A empresa informou que “tomará todas as medidas legais e judiciais para assegurar seus direitos em face da decisão”.
Em Jataizinho, o valor do pedágio para carros é de R$ 16,10 e em Sertaneja R$ 13,80.

Decisões liminares
A liminar, concedida inicialmente pela 1ª Vara Federal de Jacarezinho, em uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público Federal (MPF), tinha sido suspensa pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), na terça-feira (4).

O TRF-4 entendeu que, como uma ação penal, que apura o pagamento de propina pela Econorte para alterações de contrato de concessão por meio de aditivos, tramita junto à 23ª Vara Criminal de Curitiba, a legitimidade para julgamento da ação civil pública é da 1ª Vara Federal da capital.

Com a decisão da segunda instância, todas as medidas determinadas pelo juiz Rogério Cangussu Dantas Cachichi tinham sido suspensas. À 0h de quinta-feira, a concessionária retomou a cobrança de pedágio na praça de Jacarezinho e o valor integral da tarifa nas outras duas praças.

A juíza substituta Thais Sampaio da Silva Machado, da 1ª Vara Federal de Curitiba, entendeu que a questão da competência foi resolvida, mas ainda não há decisão da segunda instância sobre as outras determinações da liminar (Texto: G 1).

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.