Governo estadual está fazendo investimentos necessários em Segurança, afirma Romanelli‏

O deputado Luiz Cláudio Romanelli, líder do governo na Assembleia Legislativa, reafirmou na sessão desta quarta-feira (09) que o governo Beto Richa está fazendo grandes investimentos na Segurança Pública do Estado, com a criação de novos batalhões e contratação de policiais._x000D_
“Neste governo já foram contratados 5.809 policiais militares e 1.696 policiais civis, totalizando 7.505 novos policiais. Em janeiro,serão contratados mais 2.222 policiais militares e 606 bombeiros, aprovados no concurso de 2012/2013 que já foram aprovados na etapa de exames médicos e aguardam apenas a conclusão da fase de investigação social para serem contratados, totalizando 10.333 novos policiais contratados na gestão Beto Richa”, disse o líder do governo._x000D_
Segundo Romanelli, a criação do batalhão de fronteira, em Marechal Cândido Rondon, dos batalhões de Curitiba, na CIC e de Colombo e de Umuarama e de novas companhias em Guaíra e Francisco Beltrão tem contribuído muito para reduzir a criminalidade. “Teremos novo batalhões em União da Vitória e em Telemâco Borba e uma nova companhia independente em Loanda. Ao contrário do diz a oposição, que quer viver de factóides, os batalhões e companhias estão sendo criados. Tivemos grandes avanços, pois quando se cria um batalhão da polícia, muda-se completamente a qualidade da segurança pública”, analisou._x000D_
O líder do governo cobrou mais responsabilidade dos deputados da oposição na abordagem sobre o tema. “Temos que tratar os temas com a responsabilidade que este parlamento tem, discuti-los e aprofunda-los. Os batalhões serão criados, o efetivo policial está sendo contratado. Aumentamos efetivamente o número de policiais e hoje, indiscutivelmente, aumentamos a segurança pública que ainda é um problema muito grave. Mas avançamos muito, pois o número de homicídios tem reduzido a cada ano no Paraná. São dados públicos, é o mapa do crime, mapa da violência que demonstra isso”, ponderou._x000D_
Entre os temas que é preciso discutir, ressalta o deputado, está a questão da aposentadoria dos policiais militares, praças e oficiais. “Aos 53, 55 anos, esses policiais deixam compulsoriamente a corporação, no auge de seu potencial de trabalho intelectual. É um número elevado de policiais por ano, cerca 600 policiais que se aposentam. Esse é um assunto que precisa ser debatido , sem a demagogia que tem caracterizado o debate da oposição na Assembleia”, afirmou.

Você terminou a leitura

Compartilhar essa notícia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Escrever um comentário

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.